Os Verdadeiros Muçulmanos Não Podem Ser Terroristas

Islam significa literalmente “renúncia”. O Islam é a religião de contentamento, de s egurança e de paz. Esses princípios são tão comuns na vida do muçulmano que, quando ele pára para rezar a Salat corta todos os laços com o mundo, curva-se e prostra diante de Deus e, em seguida, fica com as mãos sobrepostas em sinal de respeito. Quando ele sai de oração, é como começar uma vida nova. Ele termina a oração saudando aqueles à esquerda e à direita e desejando-lhes saúde, s egurança e paz, então vai e se junta às outras pessoas. A saudação aos outros e os votos de paz são considerados entre os mais auspiciosos atos feitos no Islam. Realmente, quando perguntaram ao Profeta Muhammad (sallalláhu alaihi wa sallam), “Qual é o ato mais auspicioso no Islam?” Ele respondeu: “Dar comida para os outros e cumprimentar todos que conhece e os que não conhece”.

ACUSAÇÕES DE TERRORISMO

É uma grande vergonha que o Islam, que se baseia em doutrinas, seja visto pelos outros, como terrorismo. Este é um enorme erro histórico, pois como já insistimos, um sistema baseado na paz e s egurança ser associado ao terrorismo, em primeiro lugar, mostra que as pessoas nada conhecem do e spírito do Islam e são incapazes de apreender através de suas próprias almas. Deve-se procurar o Islam por meio de suas fontes e os seus verdadeiros representantes em toda a h istória, e não através das ações de uma ínfima minoria que mal o representam. A verdade é que não existe qualquer aspereza e fanatismo no Islam. É totalmente uma religião de tolerância e p erdão. Esses pilares de amor e tolerância como Maulana, Yunus Emre, Ahmed Yesevi, Bediüzzaman e figuras similares expressaram é o aspecto mais bonito do Islam e são considerados pela h istória exemplos de afeto e tolerância

O JIHAD NO ISLAM

O Jihad é um elemento do Islam baseado em determinados princípios que visam suprimir todos os obstáculos para a defesa ou a exaltação do nome de Allah. Podemos citar inúmeros exemplos ao longo da h istória em relação a este tema.

Como nação mostramos uma excelente defesa em várias frentes tais como Canakkale e Trablusgarp. Se não o tivéssemos feito, teríamos de dizer a aqueles inimigos com intenção de ocupar o nosso país: “Você vem para nos tornar civilizados. Isso é bom. Bem vindo. Olha, você trouxe soldados!” Sempre vai haver batalhas, que são uma realidade incontestável da humanidade. No entanto, os versículos do

 Alcorão revelados a Muhammad (sallalláhu alaihi wa sallam), especificando as condições para o jihad foram mal interpretados pelos outros para significar o objetivo principal do Islam. Na essência, as pessoas, que não conseguiram captar o verdadeiro e spírito do Islam, são incapazes de estabelecer um equilíbrio entre os grandes e pequenos pontos, e, aliado ao fato de serem consumidos pelo ó dio, leva-os a interpretar mal o Islam, enquanto o seio de uma verdadeira comunidade muçulmana está cheio de amor e carinho por toda a criação.

Um poeta escreveu uma vez: Muhammad foi afeto; sem Muhammad o que lhes vem de afeto!

EXISTÊNCIA LIGADA AO AMOR

Sim, Muhammad (sallalláhu alaihi wa sallam) é um homem de afeto. Ele é também conhecido como “Habibullah” derivada da palavra “habib” que significa “quem ama Allah e é amado por Ele”. Místicos como Imam R abbani, Maulana Khálid e Shah Waliyullah Dehlevi dizem que é o mais elevado grau de amor.

Allah criou toda a criação no amor e o Islam é o bordado delicado de renda desse amor. Nas palavras de outro grande místico, o amor é a r azão de ser da existência da criação. Claro que, a despeito de tudo isto, não podemos negar que o Islam tem um elemento de violência em nome do impedimento. No entanto, algumas pessoas pegam esse elemento, que deveria ser secundário e o considera como se o Islam fosse tudo aquilo, quando o Islam é pacífico. Uma vez, um amigo meu que compartilhava esses sentimentos me disse: “Você fala com todos, sem impor quaisquer restrições. Isso, por sua vez, quebra a tensão, considerando que fomos ensinados que, segundo o Islam, devemos mostrar a nossa hostilidade a certas pessoas em nome de Allah.” Na verdade, esse pensamento ocorre da interpretação errada dessa ideia. No Islam, tudo é criado para ser amado em nome de Allah. Ser o diado e demonstrar h ostilidade são pensamentos e sentimentos impuros, imorais e constituem blasfêmia.

O homem significa para Allah uma criatura nobre (17:70) e podemos dizer que todo mundo é abençoado com essa qualidade em graus diferentes. O Profeta de Allah (sallalláhu alaihi wa sallam) estava passando por um funeral judeu e parou para prestar seu respeito. Ao lembrar que o homem a ser sepultado era judeu, Muhammad (sallalláhu alaihi wa sallam) respondeu: “Ele ainda é um ser humano”. Ele demonstrou o valor dado à humanidade no Islam.

Sim, esse era o tamanho do r espeito do nosso Profeta pelas pessoas. O que está por trás de certas pessoas ou instituições muçulmanas que desvirtuam o Islam, envolvidas em ataques terroristas que ocorrem em todo o mundo, devem ser procuradas não no Islam, mas dentro das próprias pessoas, em suas más interpretações e em outros fatores. Assim como o Islam não é uma religião de terrorismo, qualquer muçulmano que compreenda corretamente o Islam não pode ser visto como terrorista. 

Uma vez que há exceções a serem vinculadas, as interpretações do Islam pelos turcos são muito positivas. Se podemos espalhar a compreensão do Islam na posse dos pilares de afeto como Maulana e Yunus Emre pensavam de todo o mundo, e se podemos passar sua mensagem de amor, diálogo e tolerância para as pessoas, então as pessoas de todo o mundo vão correr para os braços do amor, da paz e da tolerância que representamos.

A tolerância do Islam é tão vasta que o Profeta (sallalláhu alaihi wa sallam) especificamente proibia até mesmo dizer coisas que ofendessem as pessoas. Apesar de todos os esforços de auto-sacrifício de Muhammad (sallalláhu alaihi wa sallam), Abu Jahl não conseguiu se tornar um muçulmano e morreu desgraçado. Na verdade o nome Jahl significa i gnorância. Na verdade, aquele homem ignorante e grosseiro gastou toda a vida como inimigo do Profeta (sallalláhu alaihi wa sallam), e suas atitudes tornaram-se a segunda natureza para os muçulmanos. Dizem que, pouco depois da conquista de Makka, o filho muçulmano de Abu Jahl começou a dizer coisas no conselho contra o pai e foi repreendido pelo Profeta (sallalláhu alaihi wa sallam) por fazê-lo.

RESPEITO PELO SER HUMANO

Em outra tradição (dito do Profeta -(sallalláhu alaihi wa sallam), ele disse que era um grande p ecado alguém jurar pela mãe ou pelo pai de alguém. Eles perguntaram a ele se uma pessoa nunca jurou por seus sogros. Ele respondeu que se alguém jura por outro pai ou outra mãe, então ele causa à sua própria mãe ou pai sua efetiva culpa como se tivesse jurado por eles mesmos.

Embora o Profeta (sallalláhu alaihi wa sallam) tenha saído de seu caminho para mostrar r espeito pelos outros, o fato hoje é que as pessoas estão citando a religião quando se dirigem de forma ofensiva aos outros, significando que eles não entenderam o Profeta (sallalláhu alaihi wa sallam) corretamente. Isso porque não há espaço para ó dio ou hostilidade, quer no Islam ou em um mundo multicolorido do seu enviado, Muhammad (sallalláhu alaihi wa sallam).

SERVOS DE ALLAH

Quando lemos o A lcorão, vemos que está baseado em pensamentos de p erdão e tolerância. Na passagem de “Ál ‘Imran” no Alcorão se lê: “Apressai-vos em obter a indulgência do vosso Senhor e um Paraíso, cuja amplitude é igual à dos céus e da terra, preparado para os tementes, que fazem caridade, tanto na prosperidade, como na adversidade; que reprimem a cólera; que perdoam o próximo. Sabei que Allah aprecia os benfeitores” (3:133-134). Vamos explicar melhor. Você sofre um incidente que faz seu sangue ferver; por exemplo, pessoas rogam pragas e insultam você. Tanto quanto pode, você deve se comportar de modo indiferente e não reagir. O Alcorão descreve a forma como as pessoas de boa moral devem se comportar, mesmo em momentos que querem explodir: São pessoas tão magnânimas, que quando confrontadas com acontecimentos que iriam deixá-los malucos, engolem sua raiva mesmo sendo como espinho e fazem vistas grossas aos defeitos dos outros. As palavras árabes para essa passagem tem muito significado. “Cazm” significa engolir o que não pode ser engolido; entretanto “cázim” significa alguém que engoliu a sua própria raiva.

Em outra passagem, Allah diz a seus seguidores: “Aqueles que não perjuram e, quando se deparam com as futilidades, delas se afastam com honra.” (25:72)

UM ESTILO ISLÂMICO

Quando olhamos a vida do exaltado Profeta (sallalláhu alaihi wa sallam) , vemos que ele praticava tudo o que pregava no A lcorão. Por exemplo, para alguém que vinha e admitia o adultério perguntando para ser purificado de seus pecados independente da punição, o Profeta (sallalláhu alaihi wa sallam) dizia: “Vá para casa e arrependa-se. Não existe p ecado que Allah não perdoará”. Outro hadice fala da pessoa que acusava outra ao Profeta (sallalláhu alaihi wa sallam) de tê-la roubado. Apenas quando a sentença foi estabelecida, o homem voltou e perdoou o ladrão, então Muhammad (sallalláhu alaihi wa sallam) disse, “Porque não perdoou ele primeiro?”

Assim, quando tudo é analisado em detalhes pelas suas próprias fontes, vê-se que o estilo adotado por aqueles que tratam os outros com ó dio e hostilidade, aos que se opõem aos muçulmanos, judeus e cristãos, aguçam sua raiva chamando-os de “infiéis” não está de acordo em tudo com o Islam. Como salientamos acima, o Islam é uma religião de amor e tolerância. Os muçulmanos são guardiões de amor e carinho, que evitam todos os atos de terrorismo e purgam seus corpos de todas as formas de ó dio e hostilidade.

Notas Finais

Este artigo apareceu originalmente no Jornal Turkish Daily News, em 19 de Setembro de 2001, extraído do livro “Tolerance and Atmosphere of Dialogue in Fethullah Gülen’s Writings and Saying” (Tolerância e Clima de Diálogo Nos Escritos e Ditos de Fethullah Gülen). Reimpresso com permissão.

Pin It
  • Criado em .
Direitos de autor © 2021 Site da Fethullah Gulen. Todos os direitos reservados.
fgulen.com é o site oficial do Fethullah Gülen. Todos os direitos reservados.